Faculdade em Itaquera oferece palestras gratuitas sobre empregabilidade - ZLN
Faculdade oferece palestras sobre empregabilidade
8 de janeiro de 2020
Zona Leste recebe préZL recebe pré-estreia do filme "O Melhor Verão de Nossas Vidas" - ZLN-estreia do filme _O Melhor Verão de Nossas Vidas_ - ZLN
ZL recebe pré-estreia do filme “O Melhor Verão de Nossas Vidas”
15 de janeiro de 2020

Cantora Consuelo de Paula se apresenta no Belém

Cantora Consuelo de Paula se apresenta no Sesc Belenzinho - ZLN

Roteiro das apresentações traz algumas surpresas

No dia 24 de Janeiro, sexta, o Sesc Belenzinho recebe a cantora Consuelo de Paula em show de lançamento do CD Maryákoré, às 21 horas. Este é o sétimo disco da carreira da artista e compositora mineira, uma obra provocadora naquilo que tem de mais feminina, negra, indígena e reveladora de nós mesmos.

No show, Consuelo (voz, violão e percussão) apresenta-se acompanhada por Carlinhos Ferreira (percussão) e Ana Rodrigues (piano). O roteiro da apresentação traz algumas surpresas. “Farei um tema popular dos canoeiros do Vale do Jequitinhonha e cantarei uma música de César Isella e Armando Tejada Gómez”, revela a artista.

O título do CD pode ser entendido como uma nova assinatura de Consuelo de Paula: maryá (Maria é o primeiro nome de Consuelo), koré (flecha na língua paresi-haliti, família Aruak), oré (nós em tupi-guarani), yakoré (nome próprio africano).

Além de assinar letras e músicas – tendo apenas duas parcerias, uma com Déa Trancoso e outra com Rafael Altério -, Consuelo é responsável pela direção, pelos arranjos, por todos os violões e por algumas percussões de Maryákoré (caixa do divino, cincerro, unhas de lhama, entre outros). 

A harmonia entre Consuelo e sua música é nítida neste disco. Ao interpretar letras carregadas de imagens e sensações, notamos a artista imersa em sua história.

 

O que significa o trabalho?

Segundo Consuelo, desde o nome, o trabalho “traduz uma arte guerreira e amorosa, que se alimenta da força dos ventos, das brisas e das tempestades; nasceu entre o dia e a noite, entre a cidade e as matas, entre raios e trovões”. Essas energias, movimentos e gestos de amor e de luta, estão condensados nas músicas, nos arranjos e na voz da cantora e compositora, de modo a reafirmar a fisionomia vigorosa de uma artista inquieta, de expressividade singular e força criativa que se renova a cada trabalho.

 

Notícia: Da Redação.  Foto: F. Cabral.

Para conferir outras notícias como esta, acesse a home de nosso site.

Comentários